Português Italian English Spanish

Bolsonaro perde ou não politicamente com a saída de Moro do Governo?

Bolsonaro perde ou não politicamente com a saída de Moro do Governo?


Só o tempo dirá e responderá a maior dúvida causada pela saída de Moro do Governo Bolsonaro.

 

Creio que remover Sérgio Moro sem causar dano expressivo à imagem do governo é impossível. Boa parte do eleitorado do Bolsonaro é de lavajatistas, termo com o qual nomeio aqueles que saíram do período do “petrolão” com a firme convicção de que após a prisão de dirigentes, empreiteiros e políticos, estavam vivendo um novo momento e viam em Bolsonaro a opção possível. A eleição de Bolsonaro não se deve a bolsonaristas de carteirinha, mas a um conjunto de fatores que nele tiveram expressão e símbolo, nada mais.

Bolsonaro pode dar marcha à ré e dividir cargos e verbas e, assim, compor uma base mínima e se segurar. Também pode partir pra cima do Moro procurando criar-lhe constrangimentos e, com isto, tirar-lhe crédito, mantendo açulados seus adeptos. Também pode não fazer nada, ou agir mansamente e apostar na inercia para que o assunto morra por si mesmo, afinal, estamos em meio a uma crise sanitária seríssima e não haveria tempo a perder com Moro. Aguardemos.

Quanto ao Moro, se quiser se manter na cena, se abraçar um projeto político, deverá emitir sinais ao povo, defender-se das flechas que virão com o escudo ético e moral que emprestou ao Governo e aguardar os acontecimentos. Os tempos são confusos, a pandemia não sairá da pauta, portanto, aquiete-se e prepare-se, o tempo passa rápido. 

Muita gente previu que a queda de Mandetta seria desastrosa para Bolsonaro. Não foi o que aconteceu. Ele subiu nas pesquisas. O demitido agora foi outro “ex-super-ministro”. Quem perde mais?

A conta do Capitão é simples. Ele vai perder na classe média o que já tinha perdido com sua postura na crise sanitária. As panelas que se voltaram contra ele estarão agora com Moro. 

As pesquisas vêm indicando que ele está crescendo nas camadas populares impulsionado pelo auxílio emergencial.  Segundo a CEF, mais de 32 milhões de brasileiros já receberam o benefício.  Por tratar-se de uma política com duração limitada, o impacto vai passar? O povo ficará grato pela ajuda? Só o tempo dirá.

 

Um dia após a saída de Sergio Moro do Ministério da Justiça, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) postou uma foto do ano passado abraçado com o ex-juiz da Lava Jato. Bolsonaro citou a Vaza Jato e disse que enquanto partidos e o STF (Supremo Tribunal Federal) pressionavam Moro, ele estava abraçado com ele.