Português Italian English Spanish

URNA ELETRÔNICA: APÓS 25 ANOS É DEBATE DE DÚVIDA, INCERTEZA E CREDIBILIDADE!

URNA ELETRÔNICA: APÓS 25 ANOS É DEBATE DE DÚVIDA, INCERTEZA E CREDIBILIDADE!


Após 25 anos do nascimento das urnas eletrônicas nas eleições brasileiras, o país está dividido quanto ao voto a ser impresso nas urnas nas eleições do ano que vem. Em enquete realizada pelo Senado com mais de 1 milhão e 209 mil participantes, mostra essa divisão. Bolsonaro colocou em xeque-mate às urnas. A oposição e ministros do STF e do TSE alegam que são confiáveis. O Brasil é o único país a não ter voto impresso numa urna eletrônica. A Câmara dos Deputados está com uma PEC do voto impresso.

Era 18 de maio de 1996 quando a primeira urna eletrônica foi apresentada ao Brasil por meio dos telejornais e jornais impressos. Naquele ano, há 25 anos, as urnas eletrônicas foram utilizadas nas eleições municipais. 

Foram 57 cidades com o equipamento pra 200 mil eleitores, e desde já pra votar em branco tinha tecla, mas pro nulo precisava colocar números que não eram de nenhum candidato. Esse modelo de 96 era fabricado pela OMNITECH e tinha uma impressora acoplada que imprimia o voto, depois depositado em uma urna de plástico. Isso foi abolido em 98, voltou em 2002 e foi substituído em 2004 por um registro digital.

Após o Presidente Jair Bolsonaro colocar dúvidas quanto à veracidade dos votos nas urnas eletrônicas, iniciou-se uma movimentação para que as urnas tenham uma espécie de recibo do voto (auditável). Uma enquete está sendo realizada pelo Senado para conhecer a opinião dos brasileiros quanto ao voto impresso em 100% das urnas eletrônicas.

Brasil é o único país que utiliza urnas eletrônicas sem voto impresso.

Além de usar equipamentos anacrônicos, de 1ª geração, o Brasil é o único País do mundo a não adotar o voto impresso, entre os que têm sistema eletrônico de votação.

Hoje, três dezenas de países adotaram diversas versões de urna eletrônica, todas com voto impresso. Enquanto isso, a urna brasileira perde espaço.

Após acusações de Bolsonaro, TSE lança campanha em defesa das urnas eletrônicas.

ConJur - Campanha do TSE desmente campanha de Bolsonaro contra urna

Em coletiva para lançar a campanha do TSE, o presidente do TSE, ministro Luís Roberto Barroso, afirmou que o Brasil vive uma crise financeira sem precedentes e registra recordes de mortes devido à Covid-19 e que essa não deveria ser a preocupação prioritária de qualquer governante neste momento.

O Presidente do Tribunal Superior Eleitoral também fez uma analogia com os Estados Unidos e afirmou que as mesmas pessoas que pedem voto impresso no Brasil defenderam o ex-presidente Donald Trump e acusaram os americanos de fraudarem as eleições americanas do ano passado.

“É um discurso político. Nos Estados Unidos havia voto impresso e boa parte das pessoas que defende isso no Brasil afirmou que houve fraude nas eleições americanas. Portanto, ficaríamos no mesmo lugar”, disse.

Bolsonaristas fazem ato em Brasília pedindo voto impresso | Poder360

Câmara instala comissão sobre PEC do voto impresso, que STF já julgou inconstitucional.

Mais um passo: Câmara dos Deputados instala comissão para analisar voto  impresso auditável | | MatoGrossoAoVivo

Proposta de Emenda à Constituição não acaba com a urna eletrônica, mas prevê que votos sejam impressos em eleições, plebiscitos e referendos.

Câmara dos Deputados instalou na última quinta-feira (13) uma comissão especial para