Português Italian English Spanish

Silvia Cristina critica aumento da conta de luz (tarifa da bandeira vermelha). "Não houve diálogo"!

Silvia Cristina critica aumento da conta de luz (tarifa da bandeira vermelha). "Não houve diálogo"!


Na maior crise hídrica em 91 anos, mais uma vez o trabalhador é penalizado com um aumento não esperado na conta de luz, disse a deputada federal Silvia Cristina (Rondônia). Na manhã desta terça-feira, 29, a Agência Nacional de Energia Elétrica anunciou o aumento em 52% da bandeira vermelha, taxa extra cobrada na conta de luz. A partir de julho, a taxa passa de R$ 6,243 por 100 kWh consumidos para R$ 9,49 por 100 kWh. Não era o momento para esse aumento e nem houve diálogo, finalizou Silvia., j

PREPARE O BOLSO: Energisa quer aumento de 20% na conta de luz dos rondonienses

A deputada Sílvia Cristina é a primeira parlamentar do Estado de Rondônia no Congresso Nacional que criticou com veemência o aumento da taxa extra da conta de luz, conhecida por bandeira vermelha.

A Agência Nacional de Energia Elétrica do Governo Federal decidiu nesta terça-feira (29) aumentar em 52% o valor da bandeira vermelha patamar 2, taxa extra cobrada em junho na conta de luz. A partir de julho, a taxa passa de R$ 6,243 por 100 kWh consumidos para R$ 9,49 por 100 kWh.

Sílvia enfatizou em seu desabafo "quem vai aguentar aumento de 52% em energia elétrica?" Não é um momento propício para esse aumento, o país atravessa uma recuperação devido à pandemia. Não era para haver esse aumento, disse a deputada Sílvia Cristina.

As bandeiras tarifárias são cobradas na conta de luz dependendo das condições de geração de energia no país. Quando as condições são favoráveis, não há cobrança (bandeira verde). Quando há problemas, são cobradas as bandeiras amarela, vermelha ou vermelha patamar 2, a mais alta.

A deputada Sílvia em vídeo postado nas suas Redes Sociais, disse que não houve diálogo entre a área técnica da ANEEL que havia defendido um aumento ainda maior na bandeira vermelha patamar 2, de 84%, o que levaria a taxa para R$ 11,50 por 100 kWh consumidos. Sílvia enfatizou que sequer houve Consulta Pública para que esse aumento abusivo entrasse em vigor nessa terça-feira, 29 de junho.

A bandeira tarifária terá um peso de aproximadamente 10 % na tarifa.

Ministro de Minas e Energia Bento Albuquerque foi favorável ao aumento concedido na bandeira vermelha pela ANEEL. Crédito: Portal do Governo Federal.

 

Como ficam as bandeiras:

A agência só mudou o valor da bandeira mais cara. As demais permanecem iguais. Veja o valor delas por 100 kWh consumidos: Bandeira vermelha patamar 2 - R$ 9,49 Bandeira vermelha patamar 1 - R$ 4,169 Bandeira amarela - R$ 1,343 Bandeira verde - não há cobrança extra.

O reajuste na bandeira tarifária cobrada para bancar as térmicas terá um impacto médio de 8,12% na conta de luz em julho, calcula a FGV (Fundação Getúlio Vargas). A alta neste índice pressionará a inflação do mês em 0,36 ponto percentual e levar a inflação para ainda mais longe do teto da meta este ano.

Silvia Cristina finalizou dizendo ao site da jornalista Victoria Bacon que esse aumento não esperado, penaliza os trabalhadores que mais uma vez terão de pagar essa conta.