Português Italian English Spanish

Marcos Rogério e Confúcio Moura votam favoráveis ao Fundão da vergonha (eleitoral).

Marcos Rogério e Confúcio Moura votam favoráveis ao Fundão da vergonha (eleitoral).


Os senadores por Rondônia Marcos Rogério do DEM e Confúcio Moura do MDB, votaram favoráveis ao aumento absurdo e repugnante que eleva para 5,7 bilhões os gastos com campanha eleitoral dos partidos e candidatos nas próximas eleições. Enquanto há no Brasil mais de 14 milhões de desempregados, pobreza, o salário da maioria esmagadora dos brasileiros mal dá para pagar as contas básicas para a sobrevivência com dignidade, os senadores e deputados aprovaram a vergonha do novo Fundo Eleitoral.

 

A votação da LDO no Congresso Nacional elevou para R$ 5,7 bilhões o valor previsto para o Fundo Especial de Financiamento de Campanha em 2022 — o chamado fundo eleitoral, destinado ao financiamento de campanhas políticas.
Os senadores por Rondônia, Marcos Rogério do DEM e Confúcio Moura do MDB votaram favoráveis ao aumento do Fundão da Vergonha (eleitoral).

O senador Acir Gurgaz do PDT não votou (ausente). Os parlamentares incluíram de última hora na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2022 uma nova regra de cálculo para o fundo que, segundo técnicos do Congresso e parlamentares, levou ao novo valor.

O valor é 185% maior do que o gasto em 2020, sem descontar a inflação, quando os partidos tiveram R$ 2 bilhões de Fundo Eleitoral. Em 2018, último ano de eleições presidenciais, os partidos tiveram R$ 1,7 bilhão.

A LDO segue para sanção do presidente Jair Bolsonaro, que pode sancionar integralmente, vetar alguns dispositivos ou vetar integralmente. O texto aprovado estabelece as diretrizes para elaboração do Orçamento do ano que vem.
 

Já existe dois movimentos para barrar o aumento que triplicou o Fundão Eleitoral de 2,2 para 5,6 bilhões de reais. Um grupo de deputados vai acionar o STF e outro grupo formado por senadores e deputados iniciaram uma campanha com lideranças, movimentos, associações nas redes sociais pedindo para que o Presidente Jair Bolsonaro vete o trecho da LDO que aprovou o aumento do Fundo Eleitoral.