Português Italian English Spanish

O silêncio das agências de checagem de notícias no episódio Braga Netto x Estadão.

O silêncio das agências de checagem de notícias no episódio Braga Netto x Estadão.


Após a polêmica envolvendo o Ministro da Defesa Braga Netto que, segundo editorial publicado pelo jornal O Estado de São Paulo (O ESTADÃO), teria dito em conversas com o dep. Arthur Lira, a não realização das eleições 2022 caso não fossem implantado nas urnas eletrônicas o voto impresso auditável, o diretor-geral de jornalismo do Estadão reafirmou que Braga Netto mente e que ameaçou à democracia. Agências de checagem de notícias estão em silêncio quanto à veracidade ou não da matéria do Estadão.

O jornal O Estado de S. Paulo reafirmou o teor da reportagem publicada nesta 5ª feira (22.jul.2021) sobre os diálogos do ministro da Defesa, o general Walter Souza Braga Netto. Disse que “não haveria eleições em 2022, se não houvesse voto impresso e auditável”. No entanto, o ministro fala que o relato é “mentiroso”.
A matéria não é assinada por ninguém. Estranho. O jornal O Estado de São Paulo sempre coloca o nome do jornalista que produziu o conteúdo.
Não houve checagem das agências de notícias sobre a veracidade ou não da notícia trazida pelo editorial do Estadão. A Agência Lupa que sempre checa matérias publicadas quando se refere ao Governo do Presidente Jair Bolsonaro, dessa vez, calou-se e preferiu ficar assistindo de camarote a repercussão.


Na reportagem, o jornal diz que o ministro Braga Netto teria enviado “um duro recado” ao presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), no dia 8 de julho, “por meio de um importante interlocutor político”.
 

O general Walter Souza Braga Netto disse ao Poder360 que é “mentiroso” o relato sobre ter ameaçado bloquear as eleições de 2022 caso o Congresso não aprove o voto impresso auditável em urnas eletrônicas. “Eu não mando recados. Eu não tenho interlocutor. Isso é mentiroso”, afirmou.

O presidente da Câmara, contatado pelo Poder360, respondeu dizendo que o episódio não procede: “Mentira. Absurdo. Você acha que tem cabimento algo assim? Acha que pode haver golpe. Isso não existe. E chama a atenção que essa história vem no dia seguinte ao anúncio do Ciro Nogueira indo para Casa Civil, com o governo caminhando para a política. Não existe essa história de golpe”.