Português Italian English Spanish

4ª dose da vacina não é suficiente contra Ômicron e novas doses serão necessárias, aponta estudo.

4ª dose da vacina não é suficiente contra Ômicron e novas doses serão necessárias, aponta estudo.


Dada a largada para o início da 4ª dose da vacina contra a Covid-19, estudos realizados em Israel apontam que a quarta dose já não é mais suficiente para prevenir infecções da variante Ômicron. Há 1 ano a comunidade científica responsável por estudos da Covid-19 falava em 1 dose e mais 1 de reforço. Após 1 ano, já se cogita a 5ª dose contra a Covid-19 (variantes). O estudo foi divulgado em Israel no Chaim Scheba e alerta à população mundial que teremos de conviver com o vírus por alguns anos.

 

Um novo estudo agora aponta que será necessário uma quarta dose para reforçar a imunização contra a Covid-19. Há 1 ano atrás, no início da vacinação, foi dito que seria 1 dose e mais 1 de reforma.

Após 1 ano, a comunidade científica diz que haverá sim necessidade para uma quarta dose e até quinta se preciso for. Um estudo realizado em Israel apontou que uma quarta dose da vacina contra a Covid-19 aumenta substancialmente o número de anticorpos, para níveis mais altos do que os da terceira dose.

Contudo, o aumento não é suficiente para prevenir infecções pela variante ômicron. Alguns municípios do Brasil já iniciaram a quarta dose para imunossuprimidos.

 

Estudo aponta que 4ª dose de vacina aumenta níveis de anticorpos.

Pesquisa mostra que quarta dose aumenta níveis de anticorpos para índices maiores que os registrados após terceira dose.

 

"Ainda assim, isso provavelmente não é o suficiente para a Ômicron", disse ela a jornalistas. "Sabemos até agora que o nível de anticorpos necessários para proteger e não se infectar com a Ômicron é provavelmente alto demais para a vacina, mesmo se for uma boa vacina."

Os resultados foram obtidos durante um estudo preliminar realizado no Centro Médico Chaim Sheba, de Israel na cidade de Ramat Gan. Ao todo, o estudo investigou os efeitos da quarta dose em 174 pessoas, sendo que 120 delas receberam o reforço da Moderna e outras 154, receberam a vacina da Pfizer.