Português Italian English Spanish

"APESAR DE ACHAREM QUE SOU MAL, CUMPRO A CONSTITUIÇÃO", DIZ ALEXANDRE DE MORAES!

"APESAR DE ACHAREM QUE SOU MAL, CUMPRO A CONSTITUIÇÃO", DIZ ALEXANDRE DE MORAES!


 

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Alexandre de Moraes criticou hoje discursos de ataque à democracia e afirmou que "liberdade de expressão não é liberdade de agressão". A declaração foi dada em palestra a alunos da Faap (Fundação Armando Alvares Penteado), na cidade de São Paulo, uma semana após o STF condenar o deputado federal Daniel Silveira (PTB-RJ) por ameaças a ministros do tribunal, incluindo o próprio Moraes. Silveira não foi citado diretamente por Moraes em sua fala.

Alexandre de Moraes disse que segue o que está na Constituição e que apesar de todo mundo acharem que ele é mal, ele não cometeu excessos e sim o que está na lei. Em seguida tirou gargalhadas da plateia O discurso de Moraes durou cerca de 50 minutos. Além do ministro, professores e desembargadores, esteve presente o procurador-geral de Justiça de São Paulo, Mário Luiz Sarubbo..

Ora, nós não estamos em uma selva. Liberdade de expressão não é liberdade de agressãoAlexandre de Moraes, ministro do STF "Não é possível defender a volta de um ato institucional número cinco, o AI-5, que garantia tortura de pessoas, morte de pessoas. O fechamento do Congresso, do Poder Judiciário", afirmou Moraes. 

"É um discurso muito fácil para a pessoa que prega racismo, homofobia, machismo, fim das instituições democráticas, falar que está usando sua liberdade de expressão. Essa pessoa não pode xingar individualmente uma pessoa", disse o ministro.

O alvo das falas do ministro foram indiretamente dirigidas ao Presidente e o seu aliado o deputado Daniel Silveira.

"A desinformação é tanta que até às vezes a imprensa tradicional repete fake news. Hoje saiu uma notícia que o Supremo quer arquivar o inquérito das fake news. Isso é uma fake news. Não vai arquivar inquérito das fake news porque nós estamos chegando nos financiadores. A investigação tem seu momento público e o momento sigiloso, que na maioria das vezes é mais importante".

As palavras do ministro foram interpretadas pelos presentes ao evento como uma indireta ao Presidente Jair Bolsonaro e a seu aooiador o deputado bolsonarista Daniel Silveira.